O MMA no Brasil

Muita gente pode não saber, mas o MMA teve suas origens no Brasil. Graças à força de marketing americana e por o inglês ser a língua franca a nível mundial, o MMA, começando por seu próprio nome (MMA quer dizer Mixed Martial Arts em inglês – em português Artes Marciais Mistas) passa muitas vezes a ideia de ser um esporte oriundo dos Estados Unidos, como é o wrestling, anterior campeão de audiências nos esportes de combate e suas variantes.

Mas a verdade é que o MMA teve seu início no Brasil, mais precisamente na família Gracie, que no início do Século XX adaptou o ancestral jiu jitsu, conseguindo transformá-lo numa técnica de combate mais focada no uso de golpes que enfraquecessem a posição do oponente.

Essa nova arte marcial ficou conhecida como Jiu Jitsu Brasileiro (ou BJJ em inglês – Brazilian Jiu Jitsu).

À medida que o BJJ se tornava mais popular começaram a surgir competições que, devido à quase ausência de regras e à sua brutalidade ganharam o nome de Vale-Tudo.

Foi também com este crescimento de popularidade que surgiu a UFC (Ultimate Fighting Championship), uma entidade que veio regulamentar o Vale-Tudo, transformando-o no MMA atual.

Hoje em dia o MMA domina as audiências de esporte no Brasil, atrás apenas do futebol e rivalizando diretamente com os esportes motorizados e o voleibol.

Não é por acaso que o Brasil é o país com maior número de praticantes de MMA, sendo que alguns dos melhores lutadores do mundo são brasileiros. Alguns dos exemplos mais marcantes são Anderson Silva, o Aranha, e os irmãos Nogueira, Minotauro e Minotouro.

Em cinco anos apenas, entre 2006 e 2011, o canal Combate passou de 13.000 para 150.000 espetadores graças ao MMA. Além disso a prática de MMA tem crescido exponencialmente entre os mais jovens, principalmente nos maiores centros urbanos do Brasil.